Wednesday, June 08, 2016

Escolhas

Ah, as escolhas
Aprendemos na escola, em nossos filmes favoritos
Abrimos mão, ou não. Decidimos por amor ou instinto
E no silêncio escutamos a voz da culpa, o cleck do gatilho
A morte no recinto é o medo do invisível
Irrisório
Impossível
O barulho de vidro, do si sustenido
Sai de mim, que o que eu quero eu consigo
E se for o que eu quero, não será um castigo
Pois a escolha que eu quero

É ter você comigo

Wednesday, October 07, 2015

PROMESSA DE ANO NOVO

Certa vez, um ano velho resmungava seus sonhos não realizados. Ele já tinha idade para ter infinitas histórias, mas em seu repertório só se ouvia a mesma: de seus sonhos não realizados. E a cada ano que passava, um ano novo passava por sua vida, cheio de energia. Este ano passava e um novo vinha. Enquanto isso ele simplesmente envelhecia. Já se sentia incapaz de acompanhar o ano novo que chegava. Apenas o deixava passar, como quem abre passagem a uma cavalaria. Certa vez, enquanto resmungava seus sonhos não realizados, um ano novo chegou bem perto e disse prometer que ele seria o ano mais feliz da sua vida. Ainda cético, resmungou mais um pouco. Anos depois, seus sonhos já não eram mais os mesmos, pois aqueles, não realizados, eram histórias de um ano velho que passaria. 

Thursday, August 27, 2015

Pela atenção, obrigado.

Parei no posto para abastecer
a carteira de cigarros que estava no fim
a fumaça me faz espairecer
os dramas que são parte de mim
Ser, ou não ser
sim
mas sem sofrer
não estou a fim
E tipo assim
se é isso que você espera me ver fazer
quando eu disse que sou, eu menti
apenas para te sentir
apenas para te ter
atenção

Monday, May 19, 2014

Troco na troca

A gente se conheceu em uma festa e nossos sorrisos demonstraram certa intimidade logo nos primeiros olhares. Trocamos carícias e telefones. Trocamos as roupas nas primeiras semanas. Trocamos tantas ideias mesmo que não tivéssemos tantas ideias para trocar. Trocamos os dias pelas noites. Trocamos a TV pelo cinema. Trocamos de endereço e até de sobrenome. Trocamos os problemas por soluções. Trocamos o trabalho por lazer e o dinheiro por felicidade. Trocamos nossos medos por certezas e não deixamos de trocar também os destinos das viagens. Assim como quem troca a água do cachorro, trocamos livros velhos por livros usados.  Trocamos as críticas e piadas de futebol por atitudes e passeios no parque. Trocamos cartas e postais quando nos afastamos. Trocamos  presentes quando nos aproximamos.  E mesmo quando brigamos, trocamos conhecimento. Trocamos o tempo perdido pelo tempo que fosse necessário. E seguimos trocando. Assim como quem troca o brinquedo do cachorro. E, se naquela festa, o Dj não tivesse trocado a música, nós trocaríamos de festa, porque a única coisa que eu não troco é estar com você!

Friday, April 04, 2014

origens

Meu bisavô havia adquirido umas terras com um dinheiro que ganhou em uma ação trabalhista contra o Porto de Paranaguá. Para resumir, na época ele jogava as sacas do trem para o silo. Teve uma série de problemas na coluna e respiratórios. O laudo da perícia comprovou que a morte dele foi em decorrência dos anos de trabalho no Porto. Meu pai, que acompanhou todo o sofrimento do seu avô, estudou direito e trabalhou no processo do começo ao fim. Com a sua parte dos honorários construiu uma casa em uma das terras e passou a levar uma vida agrária de subsistência à beira do rio. Ali eu nasci e cresci. Jogando bola com as galinhas, andando de bicicleta com os cachorros, cavalgando da escola para a igreja. Com o tempo a civilização começou a se aproximar do sítio. Fumaças eram avistadas no horizonte frente ao pôr do sol. Um dia um grupo de engenheiros bateu à porta de casa. Fizeram uma série de perguntas a meu pai. Mostraram papéis, mapas, fizeram anotações e deram alguns tapinhas nas costas dele. Eu fingia fazer a tarefa da escola enquanto tentava entender aquele teatro. A hora do almoço chegou e a minha mãe fez questão de botar à mesa. Pratos para todos. Os engenheiros primeiramente ameaçaram uma despedida, mas recuaram ao sentir o cheiro do baião de dois. Gostaram tanto que perguntaram se a minha mãe não poderia ser a cozinheira deles enquanto realizavam uma obra ali por perto. Negociaram e ela topou. Eu ainda não estava entendendo. Dias depois os engenheiros já faziam parte da família. Dias depois uma estrada já fazia parte do sítio. Dias depois a minha mãe tinha um restaurante na beira dessa estrada. Embora eu tenha estudado direito e administração, hoje eu sou chef no restaurante. Mas ainda moro no sítio. Acabei fazendo amizade com um grupo de motoqueiros que sempre paravam ali em suas longas viagens a passeio. Acabei inclusive por comprar uma bela moto e a acompanhá-los quando possível. Com o tempo e a intimidade eles iam me convencendo a ir morar na cidade, pois lá eu ganharia mais dinheiro. Teria maiores oportunidades. Eu já conhecia a rotina da cidade nas minhas viagens a passeio ou de negociação com certos fornecedores. Não fazia sentido pra mim sair do sítio. Não saí. 

Monday, March 24, 2014

Anúncio de vaga:

Precisa-se de pessoa comunicativa, pensamento rápido, talentosa, determinada e com espírito de equipe.
Bom humor e resiliência são diferenciais. Deve saber resolver problemas e cortar caminhos. Ter visão espacial e ser pontual é fundamental para esta vaga. Saber dizer e ouvir “não” fará parte da rotina de trabalho.  
Salário a combinar com a roupa.
Benefícios: mesa e telefone. 
Terá liberdade para abrir e fechar janelas conforme o clima. 
Não inclui controle do ar condicionado.

Início imediato. Entregas para ontem não poderão sofrer atraso. 

Sunday, December 01, 2013

Mesa pra dois

Via no amor um prato de comida. Chegava quente e na primeira garfada já queria comer de colher. Saboreava ao mesmo tempo que não deixava esfriar. Conforme ia acabando, ia me satisfazendo. Às vezes guloso, ora sem apetite ou de dieta, adorava um prato de comida. E sentia amor nisso. Churrascaria, buffet, à la carte, em porção, fast food, caseira, mineira, baiana, gaúcha, colonial, típica, doce. Eu amava! O prato acabou com a fome, a fome que satisfez o prato. Até o dia que eu encontrei meu prato favorito. Achei o ponto certo do tempero, a temperatura ideal e a hora certa de servir. Em porções individuais, eu amo servir esse prato, em nossos jantares, que eu preparo pra dizer que eu amo você.